quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

A sesta de Nero

Fulge de luz banhado, esplendido e sumptuoso,
O palacio imperial de porphiro luzente
E marmore da Laconia. O tecto caprichoso
Mostra, em prata incrustrado, o nacar do Oriente.
.
Nero no tóro eburneo estende-se indolente...
Gemmas em profusão do estragulo custoso
De ouro bordado vêm-se. O olhar deslumbra, ardente,
Da purpura da Thracia o brilho esplendoroso.
.
Formosa ancilla canta. A aurilavrada lyra
Em suas mãos soluça. Os ares perfumando,
Arde a myrrha da Arabia em rescendente pyra.
.
Fórmas quebram, dansando, escravas em choréa...
E Nero dorme e sonha, a fronte reclinando
Nos alvos seios nús da lubrica Poppéa.
.
(Foi respeitada a ortografia da época)

.
Olavo Bilac, do livro “POESIAS”, publicado em 1921 pela Livraria Francisco Alves, na Rua do Ouvidor, no Rio de Janeiro (Brasil). A oferta da obra que possuo, foi feita pela Livraria Fonseca, de Maceió (Brasil). Este foi o primeiro poema publicado por Bilac.
.
Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac nasceu no Rio de Janeiro em 1865, filho de Delfina de Paula e Brás Martins dos Guimarães, médico, que na altura do nascimento do filho era cirurgião do exército brasileiro, servindo na Paraguai.
Depois dos primeiros estudos no Colégio São Francisco de Paula, Olavo Bilac iniciou em 1880 o curso de Medicina (que interrompeu) e o curso de Direito em 1887.
Em 1884 publicou o seu primeiro poema na imprensa, na “Gazeta de Notícias” (jornal carioca) facto que representava toda a glória possível para um candidato a poeta. Era o soneto “A sesta de Nero”, que foi incluído mais tarde no seu primeiro livro “Poesias”, editado em 1888.
Em 1898 foi nomeado inspector do ensino público do Rio de Janeiro.
Reconhecido como grande poeta, tornou-se secretário da Conferência Pan Americana do Rio de Janeiro, em 1906, e secretário do prefeito do Distrito Federal em 1907.
Olavo Bilac viajou à Argentina integrando a comitiva do presidente Campos Sales e foi várias vezes à Europa. Escreveu em quase todas as revistas e jornais importantes do seu tempo e, em 1907, foi eleito “Príncipe dos Poetas Brasileiros”.
Participante activo e requisitado da vida brasileira (e em particular da carioca), Bilac defendia fervorosamente a abolição da escravatura e os ideais republicanos. Jornalista de oposição ao governo de Floriano Peixoto, foi perseguido e chegou a ser preso. Mais tarde, quando solto, exilou-se voluntariamente durante algum tempo em Minas Gerais. Bilac viveu de perto grandes acontecimentos e campanhas: a fundação da Academia Brasileira de Letras (em 1896) de que foi membro fundador, as campanhas cívicas pela instrução e pelo serviço militar obrigatório (iniciadas em 1915) e a fundação da Liga de Defesa Nacional (em 1916), campanhas estas que o levaram a percorrer o Brasil em defesa e propagação dessas ideias.
Ao morrer, em 1918, o seu enterro foi acompanhado por uma enorme multidão
As homenagens póstumas que lhe prestaram, a sua constante evocação em eventos cívicos e a sua presença na produção cultural mais contemporânea sublinham a importância de Bilac para a compreensão da cultura brasileira.
Quando Bilac nasceu, estava acesa a Guerra do Paraguai e quando morreu, morria também a primeira Guerra Mundial.
Olavo Bilac foi uma das mais ricas personalidades da fascinante “bellex époque” à brasileira.
Foi poeta boémio, jornalista polémico, cronista, redactor de anúncios e autor de versos satíricos. Bateu-se em duelos, foi abolicionista, republicano e antiflorianista. Autor marcado pelo extremo rigor na linguagem e na forma, os seus sonetos são compostos em versos decassílabos perfeitos.

Sem comentários:

 
contador online gratis