sábado, 5 de maio de 2012

Um poema para hoje


No dia dos teus anos


Silêncio.
Calem-se as gargantas,
Sufoquem os tremores da alvorada.
Deixem nascer o dia,
Deixem florescer a Primavera,
Que o dia dos teus anos seja o dealbar de nova era.


Silêncio.
Por um breve instante deixem que se ergam
Bem lá do fundo ou do alto não sei donde
As almas que se revêem no dia dos teus anos
Contemplando o luzir do teu olhar
Ao raiar da flor do teu encanto


Silêncio
Por um momento deixem que não ria
Que solenize no teu aniversário
Os primeiros passos duma aurora
Que desponta para uma eternidade
Bordada de mil desejos


No dia dos teus anos
Que nasças outra vez para que vivas
A vida que sonhaste.
Sorri agora. Olvida por instantes
As agruras que certamente não mereceste.
A vida talvez mereça ser vivida.


Aníbal José de Matos (Figueira da Foz – Portugal) 16.09.2000

2 comentários:

Gisa disse...

Um lindo poema. Gostaria de um assim só para mim!
Gosto e fico.
Um grande bj querido amigo

Aníbal José de Matos disse...

Obrigado pelo seu comentário. Foi muito simpática no que disse.
Bjs.
Aníbal

 
contador online gratis